Dia do Médico – Entidades alertam para a face perversa do sistema de saúde brasileiro

outubro 18, 2012 at 9:05 pm Deixe um comentário

Ministério da Saúde recebe mais um alerta dos médicos sobre a grave situação da saúde pública e suplementar no Brasil

(fonte: CFM)

Nesta quinta-feira (18 de outubro) – data em que se comemora o Dia do Médico e mês do 24º aniversário do Sistema Único de Saúde (SUS) – as entidades médicas nacionais entregaram carta ao Ministério da Saúde, chamando a atenção para os obstáculos que comprometem a assistência oferecida aos 190 milhões de brasileiros. O documento, assinado pelos presidentes da Associação Médica Brasileira (AMB), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Federação Nacional dos Médicos (FENAM), enumera ainda uma série de soluções possíveis para os principais percalços do setor. Confira abaixo a íntegra do ofício.

“A insatisfação generalizada tem sido registrada em diferentes pesquisas de opinião, estudos acadêmicos e pela imprensa, que, seguidamente, materializa a crise da saúde (pública e privada) em reportagens que exibem as filas, as longas esperas e a dificuldade de acesso aos serviços”, aponta o documento.

Dentre os desafios enfrentados na saúde pública, os médicos destacam a falta de financiamento e de infraestrutura adequada. Também pedem a valorização do trabalho no setor, com a adoção de parâmetros nacionais de cargos, carreiras e vencimentos para os médicos e outros profissionais.

Já na saúde suplementar, denunciam a prevalência dos interesses econômicos das empresas em detrimento à qualidade dos serviços oferecidos pelos planos de saúde. Cobram ainda resposta da ANS, por meio de normativa, à proposta de contratualização, encaminhada pelas entidades médicas em abril de 2012.

Os médicos acreditam, no entanto, ser possível reverter o quadro atual com a adoção de medidas que viabilizem políticas que permitam que o modelo assistencial brasileiro – representado pelo SUS – se mantenha como referência no campo social e traga o equilíbrio e a justiça à saúde suplementar.

Como fator decisivo, fazem referência à vontade política para corrigir as distorções e recolocar nos trilhos a assistência em saúde no país. “As entidades médicas, comprometidas com o exercício da boa Medicina e com os direitos da sociedade e dos pacientes, se dispõem a contribuir com este projeto de forma efetiva”, conclui o documento.

Protesto nacional – Os problemas que se acumulam na saúde suplementar também motivaram, neste mês de outubro, o protesto nacional dos médicos contra os abusos praticados pelas operadoras. Os médicos avaliam, por exemplo, que a ação limitada da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) na função de agente regulador tem gerado insatisfação entre pacientes e profissionais.

“A face perversa desta cultura do lucro é visível no descontentamento dos clientes e dos profissionais com as glosas, as demoras e a interferência antiética na relação médico-paciente”, enfatiza a carta.

Desde o último dia 10 de outubro, todas as 27 unidades da federação anunciaram a realização de atos públicos contra abusos praticados pelas empresas da saúde suplementar. Em 21 estados, os médicos – reunidos em assembleias – confirmaram a suspensão dos atendimentos de consultas, exames e outros procedimentos eletivos como forma de protesto.

Em nove deles, essa suspensão atinge todos os planos de saúde. Em outros 13, a mobilização afeta planos selecionados pelas entidades locais. Outros cinco confirmaram o apoio ao protesto, mas sem paralisação por entenderem que houve avanços importantes em suas negociações locais.

Soluções estruturantes – Diante do preocupante cenário que se apresenta na assistência em saúde no país, os médicos apresentaram ao Ministério da Saúde um conjunto de ações com desdobramentos capazes de sustentar políticas estruturantes de médio e longo prazos. Além disso, fazem parte de uma agenda mínima de medidas sem as quais o futuro do SUS e da saúde suplementar podem ser comprometidos. Confira abaixo a agenda estratégica para a Saúde no Brasil, proposta pelas entidades médicas nacionais:

SAÚDE PÚBLICA:

Financiamento da saúde: ampliar significativamente o volume de recursos orçamentários dedicados ao Sistema Único de Saúde até alcançar o nível de aplicação de 10% da Renda Bruta da União para ações e serviços públicos de saúde.

Política de gestão do trabalho em saúde: valorizar o trabalho em saúde, eliminando a precarização e os contratos temporários, adotando parâmetros nacionais de cargos, carreiras e vencimentos para os médicos e outros profissionais.

Modelos de gestão pública: fortalecer a capacidade gerencial do Ministério da Saúde e os processos de coordenação interfederativa, contemplando metas de elevação da qualidade e da efetividade das respostas das instituições de saúde.

Modelos de atenção à saúde: fortalecer e expandir as estratégias de promoção da integralidade e da universalidade da atenção à saúde por meio da configuração de redes de atenção organizadas regionalmente em consonância com a situação de saúde.

Desenvolvimento tecnológico e inovação em saúde: buscar a articulação entre as políticas de saúde, de ciência e tecnologia e de indústria e comércio de modo a proporcionar ao SUS os insumos necessários ao enfrentamento dos problemas de saúde dos brasileiros.

Controle e participação social: valorizar os movimentos sociais, acatando as deliberações políticas dos fóruns legítimos de participação como as conferências e Conselhos de Saúde.

SAÚDE SUPLEMENTAR:

Regulação do setor privado: garantir a capacidade de intervenção da ANS, orientada pelo interesse público e por políticas emanadas do Ministério da Saúde.

Contratualização entre médicos e operadoras: instituir regras nos contratos entre médicos e operadoras de planos de saúde, conforme proposta já encaminhada à ANS em abril de 2012.

Adoção da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) como referência para o processo de hierarquização, para que o percentual de reajuste seja o mesmo para consultas e procedimentos, sem distorções na valoração.

Transparência dos dados de cobertura: Espera-se a disponibilização para as entidades médicas e para a população de dados atualizados, em série histórica, que comprovem o tamanho da cobertura assistencial prometidas pelas operadoras e seguradoras de saúde por produtos (planos) negociados.

Entry filed under: mídia. Tags: , , .

EAPC recebe inscrições de trabalhos científicos para seu 13o. Congresso Evento no Rio de Janeiro aborda Terapia Ocupacional e Cuidados Paliativos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Páginas

outubro 2012
S T Q Q S S D
« set   nov »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Tópicos recentes

1o. Ciclo de Cinema e Reflexão 12o. Congresso Europeu de Cuidados Paliativos 12o. World Congress of Pain 12th Congresso Mundial de Dor Academia Nacioanl de Cuidados Paliativos Academia Nacional de Cuidados Paliativos Associação Latino-Americana de Cuidados Paliativos Associação Médica Brasileira Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos Bioética CFM. Academia Nacional de Cuidados Paliativos Ciclo de Cinema e Reflexão Cinemateca Brasileira Cláudia Burlá Conselho Federal de Medicina cuidados paliativos Câncer Dalva Yukie Matsumoto Dia do Paliativista Dia Mundial de Cuidados Paliativos Diretivas Antecipadas de Vontade dor eleições envelhecimento European Association for Palliative Care European Association of Palliative Care FMUSP Geriatria HCFMUSP Help the Hospices Henrique Parsons Hospital do Câncer de Londrina Hospital Premier Hospital Samaritano ICESP I Ciclo de Cinema e Reflexão I Congresso Lusófono de Cuidados Paliativos III Congresso Internacional de Cuidados Paliativos III Jornada de Cuidados Paliativos IMIP imprensa Instituto Paliar International Association of Hospice and Palliative Care IV Congresso Internacional de Cuidados Paliativos Julieta Fripp Luis Fernando Rodrigues Manual de Cuidados Paliativos ANCP Maria Goretti Sales Maciel Medicina Paliativa Ministério da Saúde opioides Organização Mundial da Saúde ortotanásia PEC petição promoção psico-oncologia Psicooncologia Revista Época Ricardo Tavares de Carvalho Roberto Bettega saúde pública sessão averroes Sessão Averroes de Cinema e Reflexão terapia ocupacional Terminalidade da Vida TV ANCP TV Globo Universidade Estadual do Rio de Janeiro V Ciclo de Cinema e Reflexão V Congresso Internacional de Cuidados Paliativos VI Congresso Latino-Americano de Cuidados Paliativos worldday Worldday 2009 World Palliative Care Alliance

Blog Stats

  • 54,368 hits

%d blogueiros gostam disto: